domingo, julho 31, 2005

O regresso

Eu tremia descontroladamente à medida que o via encaminhar-se na minha direcção. Sabia bem que eu era o motivo dos seus passos. Só não sabia a razão para tão inesperado movimento. Ainda assim deixei-me estar, aparentando relativa serenidade, na esperança de que talvez ele acreditasse nessa mentira.
Em menos de nada tinha-o à minha frente. A sua respiração, organizada e leve, embatia no meu olhar deambulante. Já não havia como disfarçar o indisfarçável. Ele percebia a minha impaciência e talvez por isso se tenha apressado nos seus intentos.
"Agora que entraste no meu mundo" sussurrou-me sem hesitar, "terás que aprender a viver com ele". Postas as palavras virou-me as costas e desapareceu com a mesma elegância desconcertante com que se havia aproximado.
Daí a nada eu perceberia o porquê das suas palavras... Igor sabe bem o que diz... e melhor ainda a razão por que o diz...

Comentários...

on-line